fbpx

A Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) aprovou em terceira discussão, nesta terça-feira (29), o projeto 662/2015 que trata de um conjunto de medidas que complementam os ajustes promovidos pelo Governo do Paraná desde o início do ano. Entre as medidas, destaca-se  a criação do Fundo Estadual de Combate à Pobreza. Nesta quarta-feira (30) o plenário deverá aprovar a redação final do projeto, que segue à sacão do governador Beto Richa.

“Para o Estado, a aprovação do projeto representa mais um passo em um conjunto de medidas de ajuste fiscal que estamos fazendo. Indiscutivelmente, o projeto é muito importante porque cria um fundo específico para combater a crise, principalmente das famílias mais pobres em um período que o país está em recessão. O fundo de combate à pobreza é um instrumento muito importante para superar as desigualdades sociais e contribuir na diminuição do impacto do desemprego”, avalia o líder da base de apoio ao governo na Assembleia, deputado Luiz Claudio Romanelli.

 Sem aumentar impostos, será instituída uma reserva de R$ 400 milhões por ano para aplicar em ações de construção de moradias, programas de combate a desigualdades sociais, proteção de direitos e qualificação profissional. Propostas semelhantes já foram instituídas em outros 19 estados.

O fundo será constituído com recursos oriundos do acréscimo de dois pontos percentuais nas alíquotas do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) de produtos considerados supérfluos. Os dois pontos percentuais serão depois reduzidos, de forma a não ocorrer aumento na carga tributária para o contribuinte, e ficarão disponíveis para serem vinculados ao fundo.

 Das 44 emendas apresentadas pelos parlamentares, 18 foram aprovadas em plenário. “ Ouvimos os deputados, debatemos com a oposição e acatamos as emendas que significam avanços em relação à proposta original. Certamente, o projeto será sancionado pelo governador Beto Richa. A principal emenda aprovada assegura que os recursos do fundo de combate à pobreza serão destinados exclusivamente para este fim”, analisou Romanelli.

 Também foi aprovada emenda que altera a cobrança do ICMS de produtos adquiridos através do E-commerce. “O projeto dá  garantia para outros estados, não só para o Paraná. É o fim de um período em que nós vimos o Paraná perder muito e agora haverá uma transição. Parte do imposto fica no estado que remete a mercadoria e a outra fica no estado que é destinatário. Com isso, ganham todos os estados. É uma regra de quatro anos e ao término deste prazo todo o ICMS ficará no destino e não na origem da mercadoria. Para o consumidor, nada muda. As empresas paranaenses começarão a ser mais competitivas e muito provavelmente haverá inclusive redução do frete. Quem gosta de comprar via internet,  no E-commerce, poderá comprar de empresas do Paraná com redução no custo do frete.