Diante do aumento do número de casos de covid-19 e também da epidemia de H3N2, a Assembleia Legislativa adotou um protocolo de retorno das atividades presenciais a partir de 19 de janeiro.

“A Comissão Executiva está estudando a renovação de uma série de atos restritivos ao acesso por conta do agravamento da pandemia em função da explosão do número de casos. Nós pretendíamos voltar com a Assembleia 100% presencial e já constatamos que não é possível”, disse nesta quinta-feira, 13, o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), primeiro-secretário do legislativo, após reunião com diretores da Casa.

“Ouvimos as recomendações feitas pelo Serviço Médico da Assembleia Legislativa, que é coordenado pelo doutor Douglas Schmidt, e vamos manter o sistema atual restritivo e tomaremos algumas medidas adicionais considerando o risco que estamos vivendo”, explicou o deputado.

Romanelli disse ainda que a manutenção de medidas restritivas e preventivas é essencial para a garantia da saúde dos servidores e deputados.

Participando de forma remota por estar cumprindo isolamento, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano (PSDB) destacou que a preocupação é manter as atividades sem expor servidores e deputados a riscos desnecessários nesse momento.

“Desde o início dessa pandemia sempre tivemos essa preocupação em resguardar nossos servidores. O Poder Legislativo não pode parar, mas para isso não vamos colocar a saúde de ninguém em risco. Por isso, é fundamental termos esse protocolo bem definido”.

Além das restrições de acesso ao prédio e a manutenção do Sistema Deliberação Misto, que já estavam em vigor desde o início da pandemia, a recomendação da vacinação deve ser uma novidade.

“Estamos recomendando a adoção por todos do ciclo vacinal completo. Essa é uma medida que é absolutamente necessária para todos os servidores, deputados e visitantes. Estamos ouvindo as autoridades na área da saúde e as medidas que vamos adotar serão pautadas efetivamente no bom senso, mas fundamentalmente naquilo que os especialistas estão a nos indicar”, ressaltou Romanelli.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, a Assembleia Legislativa funciona com restrições, como controle de acesso de servidores e visitantes, realização de sessões plenárias e reuniões de Comissões de forma remota, adoção de teletrabalho quando necessário e monitoramento de casos suspeitos e confirmados entre deputados e servidores. O ato da Comissão Executiva detalhando as medidas que serão adotadas será publicado nos próximos dias.

Deixe um comentário