O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) destacou nesta segunda-feira, 31, os investimentos da Copel na ampliação da rede elétrica, para garantir os investimentos pós-pandemia no Norte Pioneiro. A empresa paranaense investe para que a ocorrência, abrangência e duração dos desligamentos de energia sejam cada vez menores em Santa Amélia, Sapopema, Salto do Itararé, Japira, Jundiaí do Sul e Nova América da Colina. Nessas cidades, estão em construção cinco subestações que ficarão prontas ainda este ano, além da implantação de estações de chaves, para evitar transtornos aos usuários e empreendimentos industriais e comerciais.

Em Bandeirantes, a Copel colocou em operação sua primeira usina solar, com potência para gerar energia suficiente para atender ao consumo de cerca de 10 mil pessoas. “O Norte Pioneiro se prepara para a retomada da economia, com planejamento e projetos que visam investir nas suas principais potencialidades, o turismo e o agronegócio. A infraestrutura em energia elétrica, associada aos investimentos nas rodovias, vai ajudar o Norte Pioneiro a alavancar o desenvolvimento e retomar com impulso a economia paranaense”, considera Romanelli.

Subestações — Em Sapopema, Santa Amélia e Salto do Itararé estão em construção três subestações que vão melhorar o atendimento à região. A previsão é de que as unidades fiquem prontas ainda este ano. Já os municípios de Japira, Jundiaí do Sul, Nova América da Colina e Sapopema ganharam novas estações de chaves, que diminuem os riscos de queda de energia da Copel. Estação de chaves é uma estrutura que possibilita a operação da rede elétrica aos moldes de uma subestação, com a vantagem de ser mais leve, ficar distribuída entre os postes e contar com todos os recursos da automação e monitoramento remoto.

Vale lembrar que no Norte Pioneiro, apenas três municípios não são atendidos pela Copel: Jacarezinho, Ribeirão Claro e Barra do Jacaré. Em todos os demais, os investimentos do Estado garantem a estabilidade do sistema elétrico, o que permite aos municípios planejar ações para atrair empreendimentos, que geram emprego e renda em toda a região.

Para Romanelli, a construção de subestações e implantação de estações de chaves permite a instalação de equipamentos de automação e melhorias nos sistemas de comunicação e de distribuição que atendem áreas urbanas e rurais. “A meta é evitar prejuízos aos empresários, com os desligamentos de energia elétrica, o que provoca a interrupção da produção. Com esses investimentos, a Copel aposta na proposta de desenvolvimento debatida entre o Governo do Paraná e os municípios do Norte Pioneiro”, avalia o.

Sustentabilidade — Além de promover melhoria no abastecimento, a Copel também atua com a produção de energia limpa no Norte Pioneiro, o que garante sustentabilidade e compromisso social com a região. Em Bandeirantes, desde março deste ano, está em operação a primeira usina solar da Copel. A unidade tem capacidade de produção de 5,36 MWp (megawatt-pico) de potência instalada, o suficiente para atender o consumo de cerca de 10 mil pessoas.

A companhia implantou em uma área de 10,35 hectares (o tamanho de quase dez campos de futebol) um complexo solar formado por 6.900 placas fotovoltaicas. Cada placa é formada por células fotovoltaicas de silício policristalino, que são interligadas em série e reagem com a incidência dos raios de sol, liberando elétrons que são transferidos para um circuito dentro da placa ou painel solar.

A energia gerada em Bandeirantes é usada para compensar o consumo, resultando em desconto na conta de luz dos usuários. A Copel implantou e opera a unidade de geração distribuída de energia, e o cliente assina um contrato de aluguel da usina.

Deixe um comentário