fbpx

O Paraná teve o melhor desempenho da região Sul e o nono do país na geração de empregos com carteira assinada no mês de julho. O Estado teve um saldo de 1.800 empregos. Santa Catarina criou 1.344 postos de trabalho e o Rio Grande do Sul registrou o pior resultado entre os estados, apresentando saldo negativo de -3.644 postos de trabalho. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, e foram divulgados nesta quarta-feira ( 21).

Nos sete primeiros meses do ano, o Paraná ficou na terceira posição na geração de empregos, com 86.635 empregos com carteira assinada, atrás apenas de São Paulo (309.666) e Minas Gerais ( 144.366).No mesmo período, Santa Catarina gerou 66.371 novos postos de trabalho e o Rio Grande do Sul,76.978

Para o secretário do Trabalho, Emprego e Economia Solidária, Luiz Claudio Romanelli, a criação de empregos no país em julho perdeu fôlego, mas ainda assim o Paraná mostrou números positivos no mês e no semestre . “Diante do cenário internacional e do desempenho do mercado de trabalho brasileiro , a economia paranaense continua dando sinais de vitalidade e de capacidade de respostas na geração de empregos no comparativo com os demais estados brasileiros e especialmente na região Sul”, analisou Romanelli.

JULHO – Os setores que mais geraram empregos no Paraná em julho foram Serviços, com 2.863 postos, e Comércio, com 942 vagas e Agropecuária , com 240 postos. A Construção Civil e Indústria de transformação foram responsáveis pelos maiores saldos negativos (-1.210 e -1.073, respectivamente).

Os municípios que mais criaram postos de trabalho no mês de julho foram Porecatu, com a geração de 925 vagas, Paranavaí com 440 novas vagas, Londrina com 392 postos de trabalho,São José dos Pinhais com 362 vagas, Campo Largo com 361 vagas e Foz do Iguaçu com 298 novos postos de trabalho.

DESTAQUE POSITIVO – Em julho, o saldo do emprego na atividade sucroalcooleira – seja ele na Agricultura ou na Indústria de transformação – foi positivo em 776 postos. Vale ressaltar que este saldo representa o melhor resultado para meses de julho, considerando uma série histórica que se inicia em 2007 (Gráfico 4). Em julho de 2013, entre as classes que caracterizam a atividade sucroalcooleira, é possível ressaltar a fabricação do açúcar em bruto (905) como o maior saldo positivo, seguido pele cultivo de cana de açúcar (11). Entre as classes que caracterizam a atividade sucroalcooleira, a fabricação de álcool foi a única a registrar saldo negativa (-140).

BRASIL – O mercado de trabalho brasileiro gerou 41.463 postos de trabalho com carteira assinada no mês de julho, segundo dados do Caged. O resultado mostra um crescimento de 0,10% em relação ao mês anterior e o emprego formal vem mantendo sua trajetória de crescimento de emprego.

O desempenho é resultado da geração de 1.781.308 admissões e 1.739.845 desligamentos no mês de julho, os maiores para o período.No acumulado do ano, ocorreu expansão de 2,29% no nível de emprego, equivalente ao acréscimo de 907.214 postos de trabalho. Já nos últimos 12 meses, o aumento foi 918.193 postos, elevação de 2,32%.

Dentre os oito setores de atividade, seis aumentaram o nível de emprego, sendo a agricultura que obteve a maior taxa de crescimento com 18.133 novas vagas (1,08%), seguida do setor de serviços com 11.234 postos (0,07%) e a indústria da transformação com 7.154 postos (+0,09%).

A construção civil com 4.899 (0,15%), o comércio com 1.545 (0,02%) e a administração pública com 55 postos (0,01%) também apresentaram desempenho positivo.

 

Deixe um comentário