Pessoas com deficiência tem setor especializado nas agências do trabalhador do Estado. O Programa de Apoio à Inclusão da Pessoa com Deficiência – PPD, da Secretaria de Estado do Trabalho, Emprego e Economia Solidária, orienta empregadores sobre abertura das vagas, encaminha os candidatos de acordo com o perfil solicitado e procura a melhor compatibilização. Desde a sua implantação, em 1988, o programa já colocou 23.009 pessoas no mercado de trabalho no Paraná.

José Simão Stczaukoski, coordenador do programa no Estado, é cego e um dos precursores da inserção das pessoas com deficiência no mundo de trabalho. “No início foi muito difícil. Nada estava sistematizado, informatizado como é hoje. Na época, praticamente não existiam normas, leis que nos orientassem de como avançar na inserção dos deficientes no trabalho”.

Nessa época, o então Sistema Nacional de Emprego (Sine) não tinha um setor responsável para fazer a intermediação nem acessibilidade em suas estruturas físicas. “O Estado já oferecia escolarização e a profissionalização, mas faltava a oferta de trabalho e a intermediação de mão de obra”, diz Stczaukoski.

LEGISLAÇÃO – A lei 8.213, de 24 de julho de 1991, obriga empresas com 100 ou mais empregados a preencher de 2% a 5% dos seus cargos com pessoas com deficiência ou reabilitados do INSS. Nas 220 agências do trabalhador, uma equipe especializada faz a abertura das vagas e a intermediação de mão de obra. A pessoa com deficiência é encaminhada para a vaga de acordo com o perfil da função, o que facilita a colocação e a permanência do trabalhador no emprego. Se a contratação for efetivada, a equipe acompanha o período de adaptação ou de experiência no local de trabalho, quando há necessidade.

Esse é o trabalho da servidora Viviann Chrystini, que atende as pessoas do programa há mais de um ano. “Recebi as orientações de atendimento especializado e comecei a fazer o curso de comunicação em Libras. Aqui aprendi muito conversando com as pessoas que buscam um trabalho”, explica ela.

A pessoa com deficiência, conforme define Stczaukoski, é a que apresenta, em caráter permanente, perdas ou anormalidades de sua estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica, decorrentes de causas congênitas ou adquiridas, caracterizadas como deficiência física, deficiência cognitiva ou intelectual, deficiência sensorial (audição e visão) e deficiência múltipla, que se refere a duas ou mais deficiências.

EMPREGO – Francielle Spena Kososky, 23 anos, é deficiente intelectual por causa de parada respiratória, quando tinha três meses. Mesmo com dificuldades, Francielle quando atingiu a idade escolar começou sua alfabetização numa escola especial. Aos 23 anos, continua estudando no Ensino de Jovens e Adultos (Eja) no período da manhã e a tarde faz curso de qualificação profissional.

Há um ano, Francielle conseguiu o seu primeiro emprego no administrativo de uma empresa de odontologia. “Ela organizava documentos, separava correspondências, fazia fotocópias, entre outras atribuições”, conta a mãe, Cláudia Mara dos Santos Spena Kososky. Hoje, Francielle busca outro trabalho, já com experiência profissional.

A intermediação de mão de obra, o encaminhamento a cursos de qualificação profissional e o acompanhamento no trabalho das pessoas com deficiência é ressaltado pela mãe da Francielle. “Acho interessante que as vagas em geral e também para as pessoas com deficiência estejam no mesmo local, isso facilita a busca por um emprego e também ajuda na socialização da pessoa com deficiência”, disse ela.

CURITIBA – As pessoas com deficiência podem ir até a Agência do Trabalhador mais próxima e fazer o cadastro. Em Curitiba, a Agência está com 536 vagas disponíveis para todos os níveis de escolaridade. Entre as quais: engenheiro, arquiteto, enfermeiro, analista de sistemas, diagramador desenhista, técnico em edificações, soldador, auxiliar de linha de produção, cobrador de ônibus e empacotador.

Os interessados devem procurar a Agência do Trabalhador na Rua Pedro Ivo, 744. Os documentos necessários para fazer cadastro são a carteira de trabalho, CPF e o laudo médico. Após efetuar o cadastro em qualquer uma das 220 agências do trabalhador no Estado, o trabalhador recebe uma senha que permitirá atualizar e reservar vagas pela internet no site www.trabalho.pr.gov.br.

Deixe um comentário